domingo, 13 de novembro de 2016

Associação Quilombola realiza festa de 36º Aniversário


      Hoje, dia 13 de Novembro de 2016 não foi um domingo qualquer no Quilombo São Pedro. A comunidade celebrou o 36º Aniversário da Associação Quilombo São Pedro e também os 160 anos de registro do território realizado por Bernardo Furquim, fundador da comunidade, no Livro de Terras da Paróquia de Xiririca, antigo nome da Cidade de Eldorado.
O encontro iniciou-se com um poema recitado pelas jovens Elizete de França Dias e Vaniely dos Anjos França Dias criado por elas mesmas e intitulado “É dia de festa!”. Em seguida, o Sr Orides de França, coordenador da Associação deu as boas vindas a tod@s os convidados e falou da importância da organização para garantia do território.
Participou também, a Dra Suely Berlanga, advogada que defende os direitos quilombolas e ajudou no processo de organização de várias associações do Vale do Ribeira, relembrou a importância das lutas para inserção dos direitos nas diversas leis hoje essenciais para garantia de direitos. “Hoje, na atual conjuntura política estadual e federal, vários dos direitos adquiridos estão ameaçados”, afirma ela. Já os senhores Benedito Alves da Silva- Ditão e José Rodrigues resgataram um pouco da luta e desafios encontrados no processo de organização das comunidades do Vale do Ribeira antes e, principalmente após promulgação da Constituição Federal, que em seu artigo 68 garante a demarcação de terras para comunidades quilombolas. “Estamos ainda lutando para garantir, de fato, a abolição da escravidão... garantir a nossa liberdade”, afirma ele, sobre o fato de existir legislação que garanta o acesso ao território, no entanto centenas de quilombos pelo Brasil ainda não são nem reconhecidos. Paulo Silvio Pupo, coordenador da Associação Quilombo Ivaporunduva e Frederico Viegas, representante do Instituto Socioambiental- ISA, ressaltaram a importância da organização comunitária por meio do trabalho e luta coletiva para manutenção e sobrevivência das famílias no território.
O senhor Aurico Dias, militante há mais de 40 anos leu a biografia do Senhor Vandir de França, uma das maiores lideranças que contribuiu imensamente para a organização da Associação. Já as crianças da comunidade cantaram e encantaram ao homenagear aos mais velhos com a música composta pela Sra Elvira Morato, da própria comunidade. A letra diz que as “criancinhas do quilombo estão querendo aprender as histórias de antigamente ...para não esquecer” , e concluíram: “não queremos essa ilusão de ir embora pra cidade, aqui temos de tudo vovozinho, o sossego e a liberdade...”, cantaram elas. Assim, ao trazer a memória daqueles que já se foram e estão somente em nossas lembranças e a garra e resistência incorporada também pelos mais jovens, os participantes viram fotos, linha do tempo com acontecimentos marcantes, ouviram relatos dos mais velhos e também de alguns jovens sobre a importância da união para alcançar os objetivos do nosso povo. 
Destaque para o discurso de Eliseu de França, 16: “convido a todos os jovens que estão afastados da luta. Vocês não sabem a emoção que é estar no meio de uma manifestação, por exemplo e todos cantarem a mesma música... ali você sabe que não está só na luta”, relata ele. E Izair de França, 83: “Temos que continuar na luta. Isso aqui foram nossos mais velhos que deixaram pra nós... nossos antepassados. Eu sou bisneto de Bernardo Furquim, fundador desta comunidade”, salientou ele emocionado. 
Ao final teve roda de capoeira do Grupo Bernardo Furquim (IBECA Capoeira) e samba de roda e então tod@s partilharam o almoço com alimentos produzidos na comunidade. 























Fotos: Setor de comunicação daAssociação

Nenhum comentário:

Postar um comentário